sábado , 23 junho 2018

Contrato não foi renovado e controladores de velocidade não estão aplicando multas


Desde janeiro deste ano, a Prefeitura de Santiago não fez a renovação de contrato com a empresa Kopp que instalou os controladores de velocidade na cidade. Os controladores da Avenida Júlio de Castilhos, Alceu Carvalho, Osvaldo Aranha e Aparício Mariense estão apenas decorando essas vias, sendo que os motoristas que ultrapassarem a velocidade permitida não serão autuados.

Em entrevista com o secretário de Obras e Viação, Haroldo Pouey, ele destacou que o valor do aluguel dos equipamentos estava cada vez mais alto, ao todo são 18 equipamentos e o custo por mês girava em torno dos R$ 27.000,00, segundo ele, por ano o gasto para manter os redutores era de mais de R$ 300.000,00.

O que era para ser um equipamento para controlar a velocidade dos automóveis, hoje não passa de um equipamento decorativo sem finalidade alguma, pois os mesmos não estão efetuando as multas aos motoristas que ultrapassarem a velocidade permitida e nem a manutenção dos equipamentos está sendo feita. Quando foram instalados os equipamentos, o executivo destacou para toda a comunidade a importância dos aparelhos para evitar acidentes nas principais vias do município. Hoje, a ideia já não é mais a mesma, o investimento é visto como uma despesa desnecessária, fugindo daquela prática de tornar Santiago uma cidade avançada e com pensamento no bem estar do cidadão.

As pessoas devem estar se perguntando o motivo, pela qual os redutores ainda estão instalados, se não existe mais o convênio. O secretário explica que foi feito um acordo entre a prefeitura e a empresa para que os equipamentos ficassem no local até o mês de julho de forma educativa, ou seja, para que as pessoas continuem diminuindo a velocidade, porém destaca que não está sendo aplicada multa. Após este período os mesmos deverão ser retirados dos locais que hoje estão instalados.

Ao ser questionado sobre os procedimentos a partir da retirada dos equipamentos, Haroldo comenta que será feita uma licitação para aquisição de um radar móvel, o qual será colocado em pontos específicos da cidade, onde há maior circulação de veículos, como é o caso da Avenida Júlio de Castilhos, em frente à Escola Apolinário Porto Alegre, Avenida Alceu Carvalho, Avenida Aparício Mariense e outras.

Para o secretário, uma das maneiras de controlar o trânsito, além do Radar Móvel será a colocação de lombadas, ou seja, quebra-molas, que segundo ele é em últimos casos, porque se torna incômodo aos motoristas que trafegam em velocidade compatível com a via.

Santiago vai voltar no tempo, a exemplo de outros municípios de médio porte que investem pesado no controle de velocidade e na segurança, Santiago mais uma vez dá um passo para trás.

Os comentários estão fechados.

Scroll To Top