quarta-feira , 19 dezembro 2018

Entra ano e sai ano, mas o problema do transporte continua

Alunos do interior estão sem transporte, mas não terão prejuízos quanto à frequência e nem perda de conteúdos

 

O ano letivo para as Escolas Estaduais teve início no dia 26 de fevereiro, praticamente todos os alunos e professores retornaram as suas atividades.Os educadores, na semana anterior participaram de palestras de formação, como forma de incentivo para atuar ainda melhor nas escolas.

Mesmo com tantos problemas, como o caso do atraso no pagamento da folha por parte do Estado e também da greve que esta situação trouxe, os professores estão fazendo o seu melhor para colocar a educação em primeiro lugar.

Em conversa com a Coordenadora Adjunta da 35ª Coordenadoria Regional de Educação, Tânia Carpes, a instituição está trabalhando para regularizar os contratos de Transporte Escolar para alguns dos alunos da Escola João Aquino emUnistalda, alunos da Escola Primo Pozzato na localidade de Linha Oito em Santiago e poucos que também precisam de transporte da Escola Tomás Fortes, ainda em Santiago.

Em Unistalda, segundo Tânia, a Administração Municipal rompeu com o contrato entre Estado e Município, que mantinha o transporte dos alunos do interior. Por ser um espaço muito curto de tempo, ainda não foi possível regularizar a situação, a 35ª CRE busca resolver o mais rápido possível a situação, através de licitação.

Segundo Tania Carpes, existe uma grande burocracia que envolve o processo de contratação de Transporte Escolar, porém garantiu que a 35ª Coordenadoria Regional de Educação está acompanhando de perto as tramitações, tranquilizando as comunidades sobre a resolução destesproblemas e que ninguém foi esquecido.

Tânia ressalta que ficando pronta a licitação, já se faz o contrato emergencial para o transporte dos alunos, os quais não terão prejuízos em relação à frequência e também terão os conteúdosrecuperados normalmente. A coordenadora destaca que a educação está sendo vista com importância por todos os setores da sociedade.

Tudo o que foi tratado na formação dos professores, no início do ano letivo, com certeza será levado, na forma de questionamentos  para suas escolas e direções, assim como para toda a comunidade a qualestão inseridas. Os professores poderão fazer um planejamento conforme o contexto onde a escola está implantada.

A 35ª CRE atua em sete municípios, são eles: Capão do Cipó, Garruchos, Itacurubi, Maçambara, Santiago, São Borja e Unistalda.

Os comentários estão fechados.

Scroll To Top