domingo , 17 novembro 2019

População pressiona Governo e recuperação de trechos da 377 e 168 tem início

Há meses, um grupo de pessoas se uniu por não aceitar a situação precária da RSC 377 e 168, que já se arrasta há sete anos, com isso foram criados grupos de WhatsApp e facebook, para mobilizar as pessoas. Após estas manifestações nas redes sociais, ocorreu uma reunião de vários prefeitos, os quais organizaram um protesto pacífico, no dia 20 de março, no trevo de acesso a São Francisco de Assis, porém não resultou em nada e os problemas nas rodovias continuaram.

Passou o tempo e o empresário e agropecuarista, Edimar Ceolin, decidiu retomar os grupos e, a partir daí montaram uma Comissão Organizadora, denominado Apelo pela RSC 377 e 168 e também no facebook, onde a Comissão Organizadora formada por Edimar Ceolin, Amilton Ferreira, Bruno Ramos, Rose Soldera, Luiz Valentini, Juliano Bernardi e Carlos Malheiros, sem envolver políticos organizou nova manifestação.

Em entrevista ao jornal A Folha, um dos integrantes da comissão, o empresário Amilton Ferreira, destacou que decidiram por realizar a manifestação no dia 04 de agosto no trevo de acesso a Capão do Cipó, pois já estavam indignados com tantas promessas de recuperação, as quais não eram cumpridas pelo Governo. Mobilizaram de forma ordeira e pacífica um número expressivo de apoiadores da causa, todos em busca do mesmo ideal.

A Comissão agendou então uma visita ao secretário Estadual dos Transportes, Juvir Costella e com o diretor de Infraestrutura Rodoviária do Daer, Luciano Faustino, para levar a eles a solicitação de recuperação das rodovias e também algumas possíveis soluções. Como o governo se sentiu pressionado com a participação das comunidades de vários municípios na mobilização, como Santa Tecla, Capão do Cipó, Itacurubi, Bossoroca, Santiago, entre outros, mudou sua estratégia e decidiu realizar uma reunião de emergência para analisar o caso, porque as rodovias estaduais 377 e 168 não eram prioridades do Estado no momento, mesmo estando em situação crítica.

Realizada a reunião emergencial, o secretário recebeu a Comissão Organizadora, a qual representava todos os envolvidos na mobilização em prol das rodovias e lideranças políticas, para definir os passos a ser tomados. Amilton frisa que esta conquista é de todos, produtores rurais, integrantes da comissão, empresários, pessoas que de alguma forma apoiaram a busca por melhorias nas rodovias, as quais são as principais rotas para escoamento de safras.

“Nesta reunião, apesar do teatro político que presenciamos lá, é importante deixar claro que a Comissão Organizadora é a principal responsável por ter preparado uma manifestação pacífica e ordeira, sem trancar estradas, sem queimar pneus, somente mostrando o descaso e a depredação dos trechos da 377 e 168”, destacou Amilton.

População mobilizada e Governo pressionado, teve início na segunda-feira, 19, a recuperação da RSC 377 entre o município de Capão do Cipó e a localidade de Santa Tecla, interior de Tupanciretã. Os serviços estão sendo executados pelo Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer) – autarquia vinculada à Secretaria de Logística e Transportes.

Duas frentes de obras atuam na restauração do pavimento nos pontos críticos do trecho de 50 km. As intervenções mais complexas abrangem sete quilômetros, o que inclui a retirada e substituição da base danificada, além da implantação de revestimento de asfalto quente. Nos demais trechos, serão realizadas ações de tapa-buraco.

Nos trabalhos, serão investidos R$ 3,6 milhões do Tesouro do Estado. “Seguimos a orientação do governador Eduardo Leite e, em conjunto com a Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão e o Daer, conseguimos disponibilizar as verbas para devolver as condições de trafegabilidade dessa importante rodovia”, ressalta o secretário de Logística e Transportes, Juvir Costella. “A recuperação da RSC-377 vai impulsionar o escoamento dessa região, que é destaque na produção agrícola, sobretudo de grãos.”

“Iniciamos a obra por Santa Tecla, onde constatamos a necessidade mais urgente de intervenção”, explicou Costella. “A reivindicação da comunidade é legítima. Por isso, sabemos da necessidade de dar a segurança necessária aos usuários dessa estrada.”

O diretor de Infraestrutura Rodoviária do Daer, Luciano Faustino, frisou que as intervenções nos pontos críticos darão maior durabilidade à rodovia. “Avaliamos as soluções técnicas que darão maior resistência ao pavimento restaurado”. “Montamos um cronograma de forma que os recursos sejam aplicados na totalidade e de forma eficiente.”

Em relação ao início das obras na 168, está prevista para a segunda-feira, 02 de setembro, quanto à recuperação do trecho da 377 que liga Santiago a São Francisco de Assis, o Governo não tem previsão. Agora, a Comissão Organizadora e a população irão fiscalizar o serviço que está sendo feito, garantindo que os trechos das rodovias serão recuperados.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Trechos estão sendo feitos do zero

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Trecho da RSC 377, km 168 sendo recuperado

 

Fotos: Leonardo Marzani

Os comentários estão fechados.

Scroll To Top