segunda-feira , 18 dezembro 2017

Santiago terá Associação Regional de Combate ao Câncer e Casa de Apoio

Por conta da necessidade de um local para atender as pessoas que sofrem com o câncer e suas famílias, surgiu à ideia de se criar uma Associação e uma Casa de Apoio que desse suporte as pessoas com a doença e atendidas pelo SUS. O espaço pensado, foi onde funcionava a ONG Casulo. Conforme Ruderson Mesquita, presidente da Associação, a partir de agora, terá uma reformulação no seu estatuto da ONG, o que irá transformá-la em uma Associação de Combate ao Câncer Regional. Em assembleia realizada na segunda-feira, Ruderson, destacou que, além desta mudança, haverá uma estruturaçãoda Casa de Apoio aos familiares e vítimas do câncer, por decorrência do Centro de Oncologia do Hospital de Caridade de Santiago. O objetivo até o final de 2017é planejar as novas funções, para que, a partir de 2018, a Associação de Combate ao Câncer e a Casa de Apoio passem a funcionar, mas, para que tudo ocorra como dentro do planejado, o apoio da comunidade de Santiago e da região será imprescindível, ressalta o presidente da Associação. O referido projeto irá em busca de recursos para construção, ao lado o Centro de Oncologia do HCS, da sede própria da Associação e também da Casa de Apoio. A infraestrutura deverá contar com 12 leitos e cozinha, a ideia é realizar palestras e ajuda para compra de remédios às pessoas com câncer. Até que a sede seja construída, serviços prioritários serão oferecidos na Rua Osvaldo Aranha onde atualmente funciona a ONG Casulo. Na assembleia realizada no dia 13, foram tratados vários assuntos, entre eles eleita nova diretoria, sendo que o presidente até então era Celvirio Jornada, agora a nova diretoria está composta por Ruderson Mesquita, presidente; Joel Jung Bonfim, vice-presidente; Lívia Nascimento de Oliveira e Ademir Broetto, secretários; Rubem Cesar de Oliveira e Genésio José Frizzo, tesoureiros, e Conselho Fiscal. A ONG Casulo iniciou seu trabalho em 2005 tendo como objetivo principal fazer com que os adolescentes cumprissem as medidas socioeducativas impostas pelo Judiciário ou Ministério Público. Primeiramente o adolescente infrator passava pela DP, após pelo Ministério Público ou Judiciário, para então chegar na ONG, com o propósito de cumprir medida que podia ser liberdade assistida, prestação de serviço à comunidade ou ainda em ambiente fechado, neste caso, em Santo Ângelo na FASE.Desde sua fundação, a ONG Casulo cumpriu com a sua função. Foram tantas as mudanças de 2005 para cá, principalmente na forma de atendimento aos adolescentes, por conta disso a ONG foi perdendo a sua finalidade.


Ruderson Mesquita foi eleito presidente da Associação 

Os comentários estão fechados.

Scroll To Top